publicidade
03 de dezembro de 2012 • 18h17 • atualizado em 29 de Agosto de 2013 às 11h24

vc repórter: acorrentada, mulher faz greve de fome por obra em MG

Cássia Santos acampa em frente à prefeitura de Frutal e faz greve de fome
Foto: Antonio Araújo / vc repórter
 

Uma mulher decidiu tomar uma atitude drástica para tentar resolver um problema na cidade de Frutal, em Minas Gerais. Após muita reclamação, a professora Cássia Santos se acorrentou a uma árvore em frente à prefeitura da cidade para pedir que o órgão iniciasse uma obra para tapar um enorme buraco próximo à sua residência, no cruzamento da rua João Signorelli com a Dom Bosco, bairro Ipê Amarelo. Além de estar "acampada" na calçada da prefeitura, Cássia faz greve de fome.

De acordo com o advogado da geógrafa, Osório Machado Júnior, o buraco é chamado de "voçoroca" e tem 25 m de profundidade, além de estar a 17 m de uma creche e a 12 m da casa de Cássia. "Precisamos que inicie as obras imediatamente. Frutal é uma terra de ninguém. Se não fizermos esse tipo de trabalho, como essa greve de fome, nada funciona", afirmou Osório.

O advogado disse ainda que o problema se agrava quando chove, já que a água forma uma enxurrada que arrasta tudo para dentro do buraco gigante. "Uma obra urbana não foi feita e isso foi uma falha do setor de obras da prefeitura", afirmou o advogado.

A reportagem do Terra entrou em contato com o secretário de obras Alexandre Ali Mere Filho. Segundo ele, a responsabilidade do problema é da secretaria do Meio Ambiente. "A Secretaria de Obras faz o serviço, mas quem tem que resolver é Meio Ambiente. Tenho que executar a obra, só isso", disse Ali Mere.

Há cerca de duas semanas, o Terra entrou em contato com José de Souza e Silva Neto, secretário do Meio Ambiente, que, na época, disse que uma equipe de engenheiros faria uma reunião para iniciar o procedimento de obras no local. Nesta segunda-feira, a reportagem falou novamente com o secretário, que afirmou que quando o projeto estiver pronto as obras começarão.

"Eu não sou engenheiro. Não faço obra, quem faz é ele (Alexandre Ali Mere). Uma equipe de engenheiros foi lá, olhou o local, viu o que deve ser feito e pediu até o meio de dezembro para entregar o projeto de engenharia. A prefeitura, com certeza, vai fazer essa obra, ou pelo menos vai iniciar", afirmou José Neto.

Cássia Santos disse que fez a primeira reclamação há quase dois anos, quando a voçoroca estava a 80 m de sua casa. "É grande o risco que eu e minha família corremos, não só de morrermos soterrados, mas de vermos nosso único bem ser levado pela irresponsabilidade de quem deveria zelar pelos nossos interesses. E não é só minha casa que está em risco, mas também uma creche que cuida de mais de 270 crianças em período matutino e vespertino", afirmou o professora, que está desde as 13h sem comer.

Cássia disse ainda que tem o apoio da população de Frutal. Segundo ela, as pessoas passam pelo local do protesto e a aplaudem. "Estou firme e forte mais do que nunca. O apoio da população é muito grande. Temos que fazer isso com muita responsabilidade. Estou aqui pela creche e por todas as pessoas da cidade. Como uma cidade conhecida mundialmente como 'Cidade das Águas' deixa chegar a esse ponto".

A geógrafa negou a informação do secretário do Meio Ambiente ao dizer que nunca viu nenhum engenheiro pela região. "Eles estão sendo omissos e devem iniciar essas obras imediatamente", concluiu.

 

O internauta Antonio Araújo, de Frutal (MG), participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

vc repórter