publicidade
27 de janeiro de 2013 • 11h32 • atualizado às 18h00

Lula e Marisa lamentam "perdas irreparáveis" em tragédia no RS

O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo teria iniciado com um sinalizador
Foto: Deivid Dutra / Agência Freelancer
  • Direto de Brasília
 

Por meio do seu perfil institucional no Facebook, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou suas condolências pelas mortes causadas por incêndio em uma boate em Santa Maria (RS), que matoumais de 230 pessoas. A mensagem, assinada por Lula e pela ex-primeira-dama, Marisa Letícia, dá atenção especial aos familiares pelas “perdas irreparáveis”.

Está em Santa Maria? Envie fotos, vídeos e relatos da tragédia

“O Brasil inteiro está triste e de luto pelas mortes ocorridas no incêndio em Santa Maria. Nesse momento difícil, expressamos nossa solidariedade aos amigos e familiares das vítimas e à toda a população da cidade, mas em especial aos pais e mães por essas perdas irreparáveis. Nossos sentimentos”, afirma a curta nota atribuída a Lula e Marisa. 

 

Incêndio em casa noturna
Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo iniciou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária.
 
Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações.
 
A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos.