0

Empresa diz que dono de boate deveria checar estado de extintores

31 jan 2013
20h03
atualizado às 20h09
  • separator
  • comentários

O proprietário da empresa Previne Extintores, Carlos Weber, afirmou nesta quinta-feira que é de responsabilidade dos proprietários de estabelecimentos verificar mensalmente a pressão dos extintores de incêndio. A Previne realizou a última recarga nos equipamentos da Boate Kiss em 19 de outubro do ano passado, precisando ser repetida apenas um ano depois, caso os extintores apresentassem condições ideais.

Fotos da boate mostram falta do extintor em local indicado
Fotos da boate mostram falta do extintor em local indicado
Foto: Reprodução

Galeria de fotos: Veja quem são as vítimas do incêndio em boate de Santa Maria
Infográfico: Veja como a inalação de fumaça pode levar à morte
Veja relatos de sobreviventes e familiares após incêndio no RS

"O extintor foi entregue dentro das condições, com lacre, com validade, com selo do Inmetro, tudo certinho. A recarga é anual, se não houver despressurização, se não romper o lacre", disse Weber ao Terra.

O empresário afirma que é comum, em boates, jovens brincarem com extintores de incêndio, o que obriga a empresa a efetuar uma nova recarga. "No momento em que tu deres um toque no extintor, sai um pouquinho de pó, a pressão vai sair devagarinho, o pó fica lá dentro. Fica o pó, mas não tem pressão para expelir o pó. A recarga precisa ocorrer automaticamente depois disso", afirmou.

INCÊNDIO EM SANTA MARIA

Entenda detalhes de como aconteceu a tragédia em Santa Maria, na região central do RS, que chocou o País e o mundo e como era a Boate Kiss por dentro

Cabe ao proprietário, segundo ele, cuidar do ponteiro do extintor, que precisa estar sempre no verde. “Está tudo nos rótulos. Diz assim: Atenção usuário, verificar mensalmente o ponteiro”, afirmou.

Para o empresário, pode também ter ocorrido uma falha no manuseio. Segundo ele, há pessoas que não sabem usar o aparelho, apertam o gatilho sem retirar o lacre ou não posicionam corretamente.

As revisões dos extintores foram feitas anualmente pelo proprietário da Boate Kiss, Elissandro Spohr. Um vendedor da empresa confirmou que nas visitas os equipamentos de segurança não estavam no lugar.  “Segundo um vendedor, toda vez que foi buscar extintor lá, toda vez os extintores estavam fora do lugar, debaixo do balcão... Isso é proibido”, disse.

Incêndio na Boate Kiss

Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo iniciou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária.

Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações.

A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos.

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade