3 eventos ao vivo

'Tenho pena deles', diz mulher de Santiago sobre suspeitos

Cinegrafista foi morto após ser atingido por rojão durante cobertura de protestos

13 fev 2014
10h45
atualizado às 10h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Familiares acompanham o velório do cinegrafista morto na segunda-feira
Familiares acompanham o velório do cinegrafista morto na segunda-feira
Foto: Mauro Pimentel / Terra

Vestida com uma camisa do Flamengo, time do coração do marido, com os dizeres "Santiago, eu sempre te amarei", Arlita Andrade, mulher do cinegrafista da Band morto após ter sido atingido por um rojão durante um protesto na quinta-feira da semana passada, conversou com a imprensa durante o velório do companheiro.

Assistente social e diretora de creche, ela falou sobre os dois suspeitos presos esta semana. "Todas as crianças que passaram por mim (na creche) não foram violentas. Tenho muita pena desses dois rapazes", declarou.

Arlita fez um apelo para os jornalistas: "Queria pedir a todo mundo: por favor, sejam mais amigos, sejam mais tranquilos, tenham amor um pelo outro".

Sobre o trabalho do marido, ela disse que conversava com ele: "Eu falava: 'poxa, amor, faz alguma coisa mais leve'. E ele respondia: 'eu gosto de tiro, porrada e bomba'. O sonho dele era ser repórter cinematográfico".

A cremação do corpo de Santiago está marcada para as 11h desta quinta, e será reservada à família. Os órgãos do cinegrafista foram doados. A família informou que esse era o desejo dele.

Atingido em protesto, cinegrafista tem morte cerebral
Santiago foi atingido na cabeça por um rojão durante a cobertura de um protesto contra o aumento das passagens de ônibus no Centro do Rio de Janeiro, no dia 6 de fevereiro. Além dele, outras seis pessoas ficaram feridas na mesma manifestação.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, o cinegrafista chegou em coma ao hospital municipal Souza Aguiar. Ele sofreu afundamento do crânio, perdeu parte da orelha esquerda e passou por cirurgia no setor de neurologia. A morte encefálica foi informada pela secretaria no início da tarde de 10 de fevereiro, após ser diagnosticada pela equipe de neurocirurgia do hospital onde ele estava internado no Centro de Terapia Intensiva.

Para delegado que investiga morte de cinegrafista, houve intenção de matarClique no link para iniciar o vídeo
Para delegado que investiga morte de cinegrafista, houve intenção de matar

O tatuador Fábio Raposo confessou à polícia ter participado da explosão do rojão que atingiu Santiago. Ele foi preso na manhã de domingo em cumprimento a um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. O delegado Maurício Luciano, titular da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão) e responsável pelas investigações, disse que Fábio já foi indiciado por tentativa de homicídio qualificado e crime de explosão e que a pena pode chegar a 35 anos de reclusão.

Raposo ajudou a polícia a reconhecer um segundo responsável pelo disparo do artefato que causou a morte do cinegrafista. O tatuador, preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro, afirmou, de acordo com o relato do delegado, que “eles se encontravam em manifestações" e que "esse rapaz tem perfil violento”.

'Profissional de imprensa vai à guerra todo dia no Rio', diz jornalistaClique no link para iniciar o vídeo
'Profissional de imprensa vai à guerra todo dia no Rio', diz jornalista

A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou, na manhã do dia 11, uma foto do suspeito de ter acendido o rojão que atingiu Santiago Andrade. Caio Silva de Souza, 23 anos, tem duas passagens pela polícia e era considerado foragido desde que foi expedido um mandado de prisão temporária em seu nome. Fábio Raposo, que passou o rojão, reconheceu o autor do disparo a partir da imagem levada pelo delegado.

Procurado por homicídio doloso qualificado – quando há intenção de matar – por uso de artefato explosivo e pelo crime de explosão, o suspeito foi preso na madrugada de 12 de fevereiro em uma pousada na cidade de Feira de Santana, na Bahia. De acordo com o advogado Jonas Tadeu Nunes, que também defende Fábio Raposo, Caio Silva de Souza seguia em direção ao Ceará, para a casa de um avô, mas foi convencido a se entregar. Ele não reagiu ao ser preso.

 

Veja também:

Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede afastamento do Senado por 90 dias
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade