2 eventos ao vivo

SP reforçará frota de ônibus para tentar amenizar efeito de greve na CPTM

Paralisação afeta as linhas 8-Diamante, 9-Esmeralda, 11-Coral e 12-Safira dos trens metropolitanos

12 jun 2013
22h16
atualizado em 13/6/2013 às 10h02
  • separator
  • comentários

A  São Paulo Transporte (SPTrans) informou na noite desta quarta-feira, em nota, que, por conta da greve dos funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), nas linhas 8-Diamante, 9-Esmeralda, 11-Coral e 12-Safira, nesta quinta-feira, a frota de ônibus da capital paulista irá operar em regime de horário de pico, com 15 mil veículos disponíveis durante todo o dia.

A evolução das obras do metrô de SP ano a ano
Confira o ranking das tarifas de ônibus no País

Ainda de acordo com a empresa, caso a paralisação se confirme, também haverá reforço nas linhas que circulam por ramais atendidos pelos trens da CPTM. A SPTrans afirmou ainda que irá colocar técnicos nos terminais e corredores para orientar os usuários.

Em nota, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) afirmou que, apesar da greve da CPTM, o rodízio de placas, com final 7 e 8, está mantido em São Paulo.

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/brasil/infograficos/cptm-expansao/iframe.htm" href="http://noticias.terra.com.br/brasil/infograficos/cptm-expansao/iframe.htm">veja o infográfico</a>

Impasse termina em greve
Em assembleia conjunta na noite desta quarta-feira, os trabalhadores da CPTM decidiram entrar em greve a partir da 0h de quinta-feira. A categoria irá paralisar as linhas 8-Diamante, 9-Esmeralda, 11-Coral e 12-Safira. Os empregados que trabalham nessas linhas são representados pelos sindicatos dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Transporte de Passageiros da Zona Sorocabana e dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona da Central do Brasil.

A CPTM rejeitou em audiência nesta tarde a proposta apresentada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que previa, entre outros pontos, reajuste de 8,56%. O tribunal chegou a apelar para os trabalhadores que evitassem a paralisação antes que o TRT emitisse uma decisão sobre o impasse, mas não teve a solicitação atendida.

CPTM considera greve 'irresponsável'
Em nota, a CPTM afirmou que “considera irresponsável” a decisão dos trabalhadores de paralisar a prestação de serviços nesta quinta-feira. Segundo a empresa, os 8,56% de reajuste foram garantidos aos trabalhadores. “O novo índice repõe toda a inflação do período, considerando o IPC-FIPE de 5,91 %, e garante  aumento real de 2,5%.  Além disso, também foi oferecido aumento de 20% no vale-refeição, que passaria de 22 para 24 cotas de R$ 23,00 por dia, totalizando R$ 552,00 ao mês", disse a companhia.

A empresa afirmou ainda que uma cautelar do TRT determinou que, no caso de deflagração da greve, os empregados mantenham 100% da operação nos horários entre 6h e 9h e  das 16h às 19h. Nos demais horários, o efetivo será de 75%. Caso não cumpram a determinação, os ferroviários podem ter de pagar multa diária de R$ 100 mil.

A CPTM afirmou ainda que assinou no dia 23 de maio o Acordo Coletivo de Trabalho 2013/2014 com o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo e o Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, com reajuste salarial de 6,97% acordado.

“Em respeito aos demais empregados, representados pelos dois sindicatos que não assinaram o acordo, a CPTM estendeu os benefícios a todo o quadro de funcionários e aplicou o índice na folha de pagamento, no último dia 31 de maio”, disse a empresa.

Outro benefício oferecido na negociação, segundo a empresa, foi a substituição da cesta básica por vale-alimentação, com valor ampliado de R$ 76,86 para R$ 100.

<a data-cke-saved-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-metro-onibus-sp/iframe.htm" href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-metro-onibus-sp/iframe.htm">veja o infográfico</a>

Além disso, entre outros benfícios, a companhia afirma que alterou o acordo coletivo para a participação dos trabalhadores nos lucros da empresa, “que garantirá, dependendo da assiduidade dos empregados, o pagamento mínimo de R$ 3.300,00 para cada empregado, representando aumento de 10% considerando o valor mínimo de 2012”.

De acordo com informações da empresa, o salário médio nominal ( que consta na carteira de trabalho ) dos ferroviários é de R$ 2.646,18 sem adicionais e outros benefícios específicos da categoria.

“Todos esses direitos e benefícios descritos permitem que qualquer cidadão tenha condições de julgar o movimento grevista, que não visa o benefício do usuário, muito menos da categoria, que já está com seus benefícios garantidos”, afirmou na nota a empresa.

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade