publicidade
08 de outubro de 2012 • 18h00

SP: prédios comerciais interditados na Barra Funda são liberados

O condomínio, que fica na zona oeste da capital paulista, foi interditado na semana passada
Foto: Alex Falcão / Futura Press
 

A subprefeitura da Lapa liberou o condomínio comercial que foi interditado há uma semana em São Paulo após a ocorrência de rachaduras. O conjunto Lex Offices, localizado na rua do Bosque, 1621, no bairro da Barra Funda (zona oeste), foi reocupado por volta das 16h de sexta-feira.

A liberação do condomínio, que tem duas torres de 16 andares cada e cinco subsolos, ocorreu depois que a construtora TSR, responsável pela edificação, apresentou laudos atestando que o imóvel não corre risco iminente de colapso. Segundo a subprefeitura, os responsáveis deverão refazer as medições no local durante um período de 2 meses.

A interdição aconteceu na última segunda-feira em função de trincas e fissuras observadas durante vistoria da Defesa Civil na estrutura do subsolo. Tremores do prédio também foram relatados pelos ocupantes.

Uma das prováveis causas para o surgimento das rachaduras - uma escavação feita para a construção de um prédio em frente ao condomínio - foi descartada pela subprefeitura da Lapa. A obra vizinha, segundo o órgão, não teria relação com os problemas. Na quinta-feira, a empresa Brookfield Incorporações, responsável pela construção em frente ao Lex Offices, foi multada pela subprefeitura em cerca de R$ 10 mil por mover terra sem autorização e precisou interromper as obras.

Há 20 dias, outro prédio, localizado na avenida Santo Amaro, bairro Itaim Bibi (zona sul), precisou ser evacuado, deixando 70 moradores desalojados. O prédio, que permanece interditado, apresentou problemas estruturais nos pilares do subsolo e no térreo da construção, em função de uma reforma, que estava em andamento. O Hospital São Luís, vizinho ao condomínio, é proprietário de lojas que fazem parte do edifício e contratou a empresa que realizava a obra.

No dia 18 de junho, um prédio localizado na avenida Brigadeiro Luís Antônio, na região central da cidade, apresentou uma rachadura de 15 m de extensão. O local também foi interditado, pois o forro do teto de um restaurante chegou a cair, em função da construção de outro edifício na vizinhança.

Terra