2 eventos ao vivo

SP: grupo faz protesto por mais segurança na região do Butantã

1 fev 2014
13h35
atualizado às 13h43
  • separator
  • 0
  • comentários

Um grupo de moradores do Butantã, zona oeste de São Paulo, acompanhado de estudantes da Universidade de São Paulo (USP) e ciclistas, realizou um protesto na manhã deste sábado para pedir reforço no policiamento na região.

Um grupo de moradores do Butantã, zona oeste de São Paulo, acompanhado de estudantes da Universidade de São Paulo (USP) e ciclistas, realizou um protesto na manhã deste sábado para pedir reforço no policiamento na região
Um grupo de moradores do Butantã, zona oeste de São Paulo, acompanhado de estudantes da Universidade de São Paulo (USP) e ciclistas, realizou um protesto na manhã deste sábado para pedir reforço no policiamento na região
Foto: Dario Oliveira / Futura Press

De acordo com a Polícia Militar, o ato começou por volta das 10h, na praça Elis Regina, de onde o grupo saiu em marcha até o prédio do 16º Batalhão de Polícia Militar, onde se encerrou a passeata. Os organizadores do evento afirmam que o protesto reuniu 2 mil pessoas. Segundo a PM, 100 pessoas participaram da manifestação.

A manifestação foi organizada através da comunidade Segurança USP e Arredores, no Facebook. De acordo com o organizador do ato, Roberto Sekiya, assessor parlamentar da deputada federal Keiko Ota (PSB-SP), o policiamento na região é ineficiente.

“Tanto a Polícia Militar como a Polícia Civil fazem o que podem com a estrutura que têm. Queremos que a Secretaria de Segurança Pública, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), o comando da polícia, aumentem o efetivo nessa área, que é muito pouco. Que melhorem as condições da estrutura já existente”, afirmou Sekiya. “Só no tempo em que nos concentramos na praça (Elis Regina), uma mulher foi assaltada e um motorista atingido por uma pedra em seu carro.”

Após chegar ao 16º BPM, o grupo encerrou o protesto por volta das 11h40. “Se nossa demanda não for atendida, vamos promover novos protestos. Queremos chamar a atenção para isso (a insegurança do bairro)”, disse Sekiya.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade