Cidades

publicidade
20 de agosto de 2013 • 13h02 • atualizado às 18h22

Rio: cigarro é o grande vilão do 1º dia de multas por lixo na rua

Até as 17h desta terça-feira, 110 pessoas receberam multas por jogar lixo no chão no centro do Rio de Janeiro, de acordo com a Comlurb

Equipe do programa Lixo Zero é composta por um agente da Comlurb, um guarda municipal e um PM
Foto: Terra / André Naddeo
  • André Naddeo
    Direto do Rio de Janeiro
 

Agora não há mais desculpas. No primeiro dia de ação efetiva do programa Lixo Zero (lei municipal 3273), que aplica multas para quem jogar lixo nas ruas do Rio de Janeiro, 110 pessoas foram multadas até as 17h no centro da capital fluminense, primeira zona onde as infrações estão sendo aplicadas, de acordo com a Comlurb, que gere o projeto junto com a PM e Guarda Municipal. A grande maioria por atirar guimbas de cigarro fora da lixeira, como explica o coordenador operacional da empresa municipal, Fernando Alves Pinto.
 
“A maioria é isso mesmo, guimba de cigarro. Para você ter uma ideia, nos dois meses de conscientização do programa, em que nossos agentes conversaram com cerca de 16 mil pessoas, a maioria dos autos de constatação foram por causa disso. Foi algo em torno de 90% dos casos”, explicou. 

Para este caso, o infrator terá que pagar multa de R$ 157 – para resíduos maiores que uma lata e menores que um metro cúbico, o valor é de R$ 392. Acima disso, R$ 980. No caso de entulhos, a penalidade pode chegar até a R$ 3 mil.

"A receptividade das pessoas tem sido boa, daqui a 10 dias o bairro de Copacabana já entra também no programa. Até outubro, quando entra a zona norte, com Méier e Madureira. No centro são 58 equipes (todas elas compostas por um agente da Comlurb, um PM e um Guarda Municipal) num total de 180 que também atuam, por enquanto de forma educativa, ainda nos bairros de Botafogo, Laranjeiras, Catete e Tijuca". 

A reportagem do Terra percorreu as ruas do centro partindo da Cinelândia, passando pelo Largo da Carioca até a Central do Brasil. E os fumantes são os que têm engrossado, de fato, a estatística de punições do primeiro dia do Lixo Zero. Dos cinco grupos de agentes abordados, que somaram um total de 14 multas, todas elas foram para quem jogou “bituca” no chão. 

“O fumante tem mesmo este hábito. Antes não existia a multa, mas agora eles vão ter que saber disso, porque vai começar a doer no bolso”, contou o agente operacional da Comlurb Antônio Ancelmo, que flagrou quatro passantes na Cinelândia sujando as ruas com filtros e restos de tabaco. Foi o caso do vendedor Felipe Queiroz, 31 anos. 

O vendedor Felipe mostra a infração de R$ 157 e diz que vai recorrer
Foto: Terra / André Naddeo

Ele foi abordado no Largo da Carioca pelo agente Dílson Ribeiro, e teve que fornecer um documento com foto e o número do CPF para que o auto de constatação fosse emitido na hora – a partir deste impresso que o infrator entra no site da Comlurb e tem acesso a multa que pode ser quitada até o dia 10 do mês seguinte. Se quiser recorrer, o site informa os procedimentos. 

“Estava chegando para trabalhar, parei aqui para fumar um cigarrinho e tive essa experiência horrível”, avaliou o vendedor. “Já tinha ouvido falar, mas é tanto trabalho que eu não estava bem informado. Tive que aceitar, eu reconheço o meu erro. Mas vou recorrer, não acho justo eu ter que pagar R$ 157. A multa não é o caminho, se me desse uma vassoura eu varreria o largo todo sem problema algum. Acho que tem que ser pelo lado das medidas socioeducativas”, opinou. 

Terra