0

Programa reduz em 80% número de usuários na Cracolândia

Informação é da Prefeitura de São Paulo, que afirma que fluxo passou de 1.500 para 300 pessoas por dia na região; programa “De Braços Abertos” completa um ano

19 jan 2015
18h05
atualizado às 18h22
  • separator
  • comentários

Em um ano de funcionamento, o programa “De Braços Abertos” conseguiu reduzir em 80% o número de usuários de drogas que circulam diariamente pela região conhecida como Cracolândia, no centro da capital paulista, de acordo com a Prefeitura de São Paulo. O local, que chegou a receber por dia um “fluxo” de até 1.500 pessoas, recebe hoje 300 usuários, em média, que ficam concentrados no cruzamento da alameda Cleveland com a rua Helvetia, a poucos metros de uma base móvel da Polícia Militar.

Movimentação na Cracolândia no último dia 13 de janeiro
Movimentação na Cracolândia no último dia 13 de janeiro
Foto: Terra

O programa, que oferece emprego, alimentação, moradia e tratamento de saúde aos dependentes químicos, conta hoje com 453 beneficiários. Desses, 21 já foram contratados por uma empresa terceirizada (Guima Conseco) e trabalham com carteira assinada – eles recebem R$ 820 por mês, vale-refeição de R$ 9,10 por dia, cesta básica no valor de R$ 81,33 e vale-transporte. De acordo com a prefeitura, todos eles comparecem diariamente ao trabalho e reduziram o consumo de drogas.

321 beneficiários do "De Braços Abertos" trabalham no serviço de varrição de ruas e recebem R$ 15 por dia e três refeições
321 beneficiários do "De Braços Abertos" trabalham no serviço de varrição de ruas e recebem R$ 15 por dia e três refeições
Foto: Prefeitura de São Paulo / Divulgação

Outros 321 beneficiários trabalham no serviço de varrição de ruas e limpeza de praças, com remuneração de R$ 15 por dia e três refeições. Desses, 100 estão matriculados em cursos de capacitação e 18 estão no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Há, ainda, um grupo de 75 pessoas em processo de inserção nas frentes de trabalho, que moram em hotéis da região e recebem assistência médica e psicológica.

A segurança também aumentou na região, ainda segundo a prefeitura. Números da Polícia Militar (PM) apontam que, enquanto em 2014 foram registrados 17 furtos de veículos e 392 furtos a pessoas, os números de 2013 – quando não existia programa – ficam em 34 e 582, respectivamente, o que indica queda de 50% e 33%.

<p>O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), com os primeiros benefeciários do programa "De Braços Abertos" que conseguiram um emprego com carteira assinada, em agosto de 2014</p>
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), com os primeiros benefeciários do programa "De Braços Abertos" que conseguiram um emprego com carteira assinada, em agosto de 2014
Foto: Débora Melo / Terra

As ações são coordenadas pelas secretarias municipais de Saúde (SMS), Assistência e Desenvolvimento Social (Smads), Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo (SDTE), Segurança Urbana (SMSU) e Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC). A Prefeitura de São Paulo diz que o programa traz “um novo olhar sobre o dependente químico, que deixou de ser tratado como caso de polícia e passou a ser encarado como cidadão, com direitos e capacidade de discernimento”. 

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade