0

Primeiro a sobreviver à raiva no País tem alta após 11 meses

18 set 2009
10h45
atualizado às 23h14
Ana Lima Freitas
Direto do Recife

Um jovem de 15 anos que é apontado como o primeiro caso de sobrevivência à raiva humana no Brasil teve alta na manhã desta sexta-feira do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no Recife (PE). Marciano Menezes da Silva foi mordido por um morcego hematófago, em outubro de 2008, na cidade de Floresta, a 433 km da capital pernambucana.

O caso do rapaz consta na literatura médica internacional como a terceira cura da raiva no mundo. Esse registro chama a atenção da comunidade médica e científica porque a raiva humana era considerada 100% letal, ou seja, sempre matava a pessoa ou animal infectado.

O tratamento do rapaz foi feito seguindo o protocolo Milwaukee, desenvolvido por médicos norte-americanos em 2004. A medicação inclui antivirais, sedativos e anestésicos injetáveis.

No mundo, apenas outras duas pessoas com raiva humana sobreviveram à doença: uma na Colômbia e outra nos Estados Unidos. Ambos jovens, assim como Marciano. Com o tratamento, o paciente apresentou melhora do quadro clínico.

As análises de laboratório dos últimos exames realizados demonstram ausência de vírus. "Ele vai ter uma vida com limitações motoras e intelectuais, mas a consciência está totalmente preservada", afirmou o infectologista Vicente Vaz.

Fonte: Especial para Terra
publicidade