1 evento ao vivo

MP-SP denuncia 7 por mortes em ressonâncias em clínica de Campinas

24 mai 2013
23h16
atualizado às 23h16
  • separator
  • 0
  • comentários

O Ministério Público do Estado de São Paulo ofereceu denúncia à Justiça, nesta sexta-feira, contra quatro médicos, uma enfermeira e dois auxiliares de enfermagem do Hospital Vera Cruz, de Campinas, pelas mortes de Manoel Pereira de Souza, Pedro José Ribeiro Porto Filho e Mayra Cristina Augusto Monteiro, em janeiro, em consequência de embolia gasosa provocada pela introdução intravascular do composto perfluorocarbono (FC-770) durante exame de ressonância magnética. Todos foram denunciados por homicídio culposo, sendo que os médicos e a enfermeira foram denunciados também por fraude processual.

“Todos agiram culposamente, deixando de tomar as cautelas necessárias para evitar a inadvertida utilização da substância química em pacientes, o que era previsível e evitável, caso tivessem observado o dever objetivo de cuidado”, disse o promotor de Justiça Carlos Eduardo Ayres de Farias.

De acordo com a denúncia, as investigações policiais apontaram o uso do perfluorocarbono de utilização industrial, sem autorização da Anvisa em exames de ressonância magnética,  em substituição ao contraste, cujo o conteúdo era reaproveitado e reutilizado em outros exames.  O procedimento padrão para o exame de ressonância, adotado pela empresa de saúde e determinado pelos médicos, também contrariava a norma do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), que determina a atuação do auxiliar de enfermagem somente sob a supervisão de enfermeiro. Além disso, a supervisão da radiologia geral e ressonância magnética foi delegada à enfermeira chefe que, segundo a denúncia, não tinha qualificação ou conhecimento técnico para exercer a função, bem como para o treinamento de seus auxiliares, que armazenavam o composto tóxico em bolsas de soro fisiológico, sem nenhuma identificação. 

“Após as mortes, agindo de forma dolosa, previamente conluiados, os quatro médicos responsáveis pela clínica e a enfermeira chefe inovaram artificiosamente o estado de lugar e de coisa, com o fim de inviabilizar a investigação e a consequente conclusão sobre a causa da morte das vítimas, com a intenção de ocultar a ocorrência de crime culposo, animados por tentar preservar a boa reputação da empresa”, afirmou o promotor.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade