PUBLICIDADE

Ministério da Saúde vai pagar transplante de Sofia nos EUA

Órgão informou que vai cumprir decisão judicial para transferir a bebê para os Estados Unidos

17 jun 2014 - 15h03
Ver comentários
Publicidade
Pequena sofia tenta conseguir um tratamento nos Estados Unidos
Pequena sofia tenta conseguir um tratamento nos Estados Unidos
Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde anunciou, no início da tarde desta terça-feira, que irá cumprir a determinação judicial que determina a transferência da menina Sofia Gonçalves de Lacerda, que sofre de uma síndrome rara, para a realização do tratamento e transplantes nos Estados Unidos. Ontem, a advogado da família de Sofia, Miguel Navarro, solicitou à Justiça Federal a prisão do ministro da Saúde, Arthur Chioro, acusando-o de desobeder a ordem liminar expedida pelo desembargador federal Márcio Moraes, da Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), para transferir a bebê em um prazo de 15 dias.

Questionada pela reportagem do Terra, a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde informou por meio de nota que irá cumprir a decisão judicial, providenciando o envio da paciente aos Estados Unidos para a realização do transplante. O órgão, porém, não precisou a data em que a viagem seria realizada e nem se será feita por um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

A mãe de Sofia, Patrícia Lacerda da Silva, foi informada pela reportagem do Terra sobre a decisão do Ministério da Saúde de, enfim, acatar a decisão judicial. “Fiquei muito feliz. Hoje de manhã eles ligaram aqui (no hospital) perguntando o que precisaria para fazer o transporte dela, mas não comentaram nada. Graças a Deus. Eu estava com muito medo que demorasse e fosse tarde demais”, desabafou.

“Estou sem acreditar. Só acredito quando ela estiver lá. Não acredito neles. Mas estou muito feliz de saber que eles (Ministério da Saúde) estão se mobilizando para acatar a decisão”, disse.

De acordo com o advogado Miguel Navarro, que defende a família, todos os documentos necessários já haviam sido providenciados. “Já entramos em contato com o cônsul dos Estados Unidos no Brasil e, segundo ele, assim que o valor do tratamento for pago em contrato com o hospital americano, os vistos serão liberados para a família”, explica.

Ainda de acordo com a nota, o Ministério da Saúde encaminhou ofício à Polícia Federal para que fossem emitodos os passaportes e tomadas as providências para o transporte da criança. A realização da transferência depende, segundo o órgão, de laudo médico atestando que Sofia tem condições clínicas para o transporte até o país onde será realizada a cirurgia.

A família da Sofia corre contra o tempo para salvar a vida da menina. De acordo com a mãe de Sofia, a menina está prestes de completar seis meses e a expectativa de vida para crianças que nascem com a Síndrome de Berdon é de um ano. “É uma corrida contra o tempo”, afirma a mãe. No momento, Sofia enfrenta uma infecção urinária, e seu estado de saúde inspira cuidados.

De acordo com o boletim médico divulgado na tarde desta terça-feira pelo Hospital Samaritano de Sorocaba (SP), onde a menina está internada “é de extrema urgência o transplante, pois sem o tal, não há compatibilidade com a vida e cada dia a clínica vem se agravando”. O boletim é assinado pela médica Ana Carolina Caltabellotta Gomes.

Sofia é portadora da síndrome de megabexiga micrólon e hipoperistaltismo intestinal (MMHIS) também conhecida como síndrome de Berdon. Ela precisa transplantar os intestinos grosso e delgado, além do estômago e da bexiga. Os órgãos não são capazes de fazer os movimentos necessários para digestão e eliminação das fezes e da urina. Desde que nasceu, no Hospital da Unicamp, em Campinas (SP), ela permanece internada. Por força de decisão judicial, foi transferida ao Hospital das Clínicas, em São Paulo, onde foi submetida a exames.

Em abril, a família recebeu do cirurgião brasileiro Rodrigo Vianna, diretor de transplantes do Jackson Memorial Medical Center e docente da Universidade de Miami, nos Estados Unidos, um documento informando que ele aceita receber a bebê no hospital para realização do transplante. 

Fonte: Especial para Terra
Publicidade
Publicidade