0

Maior do interior de SP, Parada da Diversidade reúne 60 mil em Bauru

1 set 2013
23h58
atualizado em 2/9/2013 às 00h00
  • separator
  • comentários

Consolidada como o maior eventos do gênero no interior de São Paulo, a 6ª edição da Parada da Diversidade de Bauru reuniu cerca de 60 mil pessoas na tarde deste domingo, segundo estimativa dos organizadores e da Polícia Militar. 

A concentração aconteceu na praça da Paz. De lá, a uma multidão de gays, lésbicas, travestis, transexuais e simpatizantes do movimento cantaram, dançaram e coloriram a avenida Nações Unidas até o parque Vitória Régia. Três trios elétricos animaram o público.

A parada encerra a Semana de Combate ao Preconceito e Discriminação, instituída por lei municipal de 2010, que integra o calendário oficial das comemorações do aniversário de Bauru. Este ano, o tema foi "Cidadania: direito de ter direitos". O objetivo é alertar as populações vulneráveis ao preconceito, à discriminação e à violência sobre seus direitos.

Três trios elétricos animaram o público com músicas eletrônicas
Três trios elétricos animaram o público com músicas eletrônicas
Foto: Talita Zaparolli / Especial para Terra

Durante a semana da diversidade os organizadores também premiaram as personalidades, empresas e instituições do município que se destacaram no combate ao preconceito com o troféu “Eu faço a Diferença 2013”. Doze pessoas foram homenageadas este ano.

O casal Tchay Ohara e Juliano Martins participa desde a primeira edição. “Estamos aqui para apoiar e para nos divertir também. É uma festa muito bacana”, disse ela. Já Andreia Viola e Daniele Goltem viajaram de Jaboticabal, distante 175 km de Bauru, em uma excursão para conhecer o evento. “Já fomos em várias paradas e gostamos muito daqui. É uma festa para trazer a família”, disse Daniele. A caminhoneira Márcia Beraldo prestigiou o evento na companhia do marido, da sobrinha, da filha e do neto Breno, que era carregado nos ombros pelo avô. “Se ficarmos em casa não estaríamos apoiando, por isso já é segundo ano que a gente vem pra cá”.

A caminhoneira Márcia Beraldo prestigiou o evento na companhia do marido, da sobrinha, da filha e do neto Breno que era carregado nos ombros pelo avô
A caminhoneira Márcia Beraldo prestigiou o evento na companhia do marido, da sobrinha, da filha e do neto Breno que era carregado nos ombros pelo avô
Foto: Talita Zaparolli / Especial para Terra

Membros da Igreja Inclusiva Monte da Adoração, que não discrimina homossexuais, distribuíam panfletos e convidava os fieis para conhecer a instituição. Já os voluntários do projeto social Talmidim distribuíam abraços “grátis” e sucos para os participantes se refrescarem do calor de 32ºC registrado na tarde deste domingo em Bauru.  “Não fazemos distinção. Temos que amar o próximo como ele é”, explica Francine Caversan, voluntária no projeto.

De acordo com Rick Ferreira, presidente interino da Associação Bauru pela Diversidade (ABD) que organiza o evento, embora o Brasil tenha instituído uma série de leis que protegem mulheres, negos, homossexuais, crianças e idosos, outras populações ainda sofrem preconceitos.

“As mulheres continuam sendo escravas de seus maridos dentro de casa e sendo agredidas, as crianças continuam sendo vítimas de trabalho escravo, os negros de racismo, a comunidade LGBT de homofobia. A gente quer alertar essas populações que estão vulneráveis que há um Conselho que pode acolhê-las, tem a Defensoria Pública. Procurem os seus direitos. Falamos para essas populações. Já não falamos mais em parada gay e sim da diversidade porque o preconceito é um só. E isso nos coloca como segundo maior evento do Estado de São Paulo, atrás apenas da capital”, avalia Rick Ferreira.

A madrinha do evento de Bauru
A madrinha do evento de Bauru
Foto: Talita Zaparolli / Especial para Terra

“Cada um faz sua escolha. Acho besteira quem tem preconceito com homossexuais”, disse a cozinheira Valdirene Oliveira que participou do evento na companhia do filho de 10 anos e do sobrinho de 17, que é homossexual.

Da praça da Paz o grupo percorreu cerca de doi quilômetros até o parque Vitória Régia onde um palco foi montado para a apresentação da cantora Kelly Key encerrando a edição deste ano. Antes dela, drag queens da cidade agitaram o público com apresentações musicais.

“Queremos que as pessoas venham para a parada pela causa e não pelo artista. Por isso escolhemos a Kelly Key que viaja o Brasil realizando shows e defendendo a causa LGBT. Estamos aqui pela cultura da paz, pedindo o fim da discriminação”, avalia o vereador Markinho da Diversidade (PMDB), que é militante da ABD.
 
Os organizadores estimam ainda que a festa, que teve contrapartida de R$ 30 mil da Prefeitura, tenha movimentado entre R$ 3 a 4 milhões na cidade.

A 6ª edição da Parada da Diversidade de Bauru reuniu cerca de 60 mil pessoas na tarde deste domingo
A 6ª edição da Parada da Diversidade de Bauru reuniu cerca de 60 mil pessoas na tarde deste domingo
Foto: Talita Zaparolli / Especial para Terra
Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade