0

Justiça alemã: propina da Siemens foi de 8 milhões de euros no Brasil

7 ago 2013
08h50
atualizado às 08h50
  • separator
  • 0
  • comentários

A Siemens pagou pelo menos 8 milhões de euros (cerca de R$ 24,4 milhões) a dois representantes de funcionários públicos brasileiros como parte de um amplo esquema de corrupção em contratos públicos no Brasil, segundo a Justiça alemã. Os dados fazem parte da investigação conduzida por promotores em Munique e que resultou na condenação, em 2010, da Siemens ao pagamento de uma multa bilionária. O caso brasileiro, segundo a Justiça alemã, ajudou a comprovar o esquema internacional de corrupção da multinacional. As informações foram publicadas no jornal O Estado de S. Paulo.

Documentos que a Siemens apresentou à Justiça no Brasil mostram a ação de dois consultores para a manutenção do cartel e a fraude contra os cofres do governo de São Paulo entre 2001 e 2002, durante o primeiro mandato de Geraldo Alckmin (PSDB). Trata-se dos irmãos Arthur e Sérgio Teixeira - já falecido -, proprietários das empresas Procint e Constech. Arthur foi procurado pelo Estado em seu escritório em São Paulo, mas estava viajando. Na investigação sobre a Siemens, foi constatado que o dinheiro enviado ao Brasil entrava no País por meio de contas abertas no Uruguai. Em Montevidéu, consultorias recebiam o dinheiro da Siemens, antes de transferir os recursos para as contas dos brasileiros. A prática segue um padrão mundial de pagamento de propina pela Siemens. Uma consultoria emite notas por um trabalho e a empresa paga. Na verdade, o trabalho não existia e o dinheiro seguia para o bolso de agentes públicos ou lobistas. A Siemens reafirmou ontem que colabora com as investigações do caso.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade