0

Homem de 52 anos é a primeira vítima do vírus Zika em SP

A transmissão da doença, a exemplo da dengue, se dá por meio da picada do mosquito Aedes aegypti

22 mai 2015
14h46
  • separator
  • comentários

O Instituto Adolfo Lutz confirmou o primeiro resultado positivo de febre pelo vírus Zika no município de Sumaré, localizado na região de Campinas. O infectado é um homem de 52 anos, residente na cidade e sem histórico de viagem nas duas semanas anteriores ao início dos sintomas. Trata-se, portanto, de um caso autóctone.

Em áreas urbanas, o principal vetor do vírus Zika é o Aedes aegypti
Em áreas urbanas, o principal vetor do vírus Zika é o Aedes aegypti
Foto: IStock

Os sintomas foram constatados em 10 de março e, atualmente, o paciente já está curado. O caso foi atendido por serviço de saúde da rede municipal de Sumaré, notificado pela prefeitura como suspeita de dengue e direcionado ao Instituto Adolfo Lutz para investigação. Para obtenção do diagnóstico, foi necessário realizar o isolamento e o sequenciamento genético do vírus. 

Siga o Terra Notícias no Twitter

A doença é causada pelo vírus Zika, cuja transmissão ocorre através da picada de mosquitos do gênero Aedes. Em áreas urbanas, o principal vetor é o Aedes aegypti.

Os sintomas abrangem febre baixa, manchas no corpo, coceira e vermelhidão nos olhos. Embora mais brandos do que outras doenças, podem ser confundidos com casos de dengue, Chikungunya e até sarampo.

Em São Paulo, o monitoramento de casos suspeitos tem sido realizado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria de Estado da Saúde, por meio do sistema de vigilância já existente para outras doenças transmitidas pelo mosquito.

Dengue e Chikungunya
Sumaré também ocupa a quarta posição no ranking de cidades com maior número de casos de dengue confirmados no Estado, com 8.126 casos autóctones de dengue em 2015 (até 4 de maio), conforme dado registrado no Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação).

Já a febre Chikungunya não circula no Estado de São Paulo. Desde 2014, foram confirmados 42 casos importados da doença, ou seja, nenhum paciente contraiu a doença no território paulista.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade