0

Grafiteiros condenam pichação da estátua do Cristo no Rio

16 abr 2010
22h49

Os grafiteiros cariocas condenaram a pichação feita na quinta-feira no monumento do Cristo Redentor, no Corcovado. O grupo, responsável pelo desenvolvimento de pinturas e adornos decorativos em todas as partes da cidade, se declarou contrário a depredação de monumentos. Desde quinta, a Delegacia de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal investiga o ato de vandalismo, reivindicado nesta sexta por uma gangue de Santa Cruz (zona oeste). A pena para o crime varia de três meses a um ano de prisão, além de multa.

Pichações são apagadas da estátua do Cristo Redentor
Pichações são apagadas da estátua do Cristo Redentor
Foto: Reuters

Na manhã de hoje e no sábado, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) fará a limpeza do monumento. A remoção será feita com o solvente mais leve possível, para evitar danos.

As palavras usadas na pichação foram "onde está a engenheira Patrícia?" e "quando os gatos saem, os ratos fazem a festa". O ato de vandalismo teria sido cometido por três pichadores.

"É complicado falar sobre essa questão, pois fui pichador na adolescência. O intuito do pichador é chamar a atenção, só que pichar um monumento acaba virando um ato político", afirmou Marcelo Eco, 30 anos, 15 de grafite.

Doutor em Artes Visuais, o professor da Escola de Belas Artes da UFRJ Marcus Dohmann condena apenas o local do ataque. "Foi uma manifestação válida em um lugar inválido. A pichação serve para contestar algo, só que fazer isso em um ícone cultural é extrapolar", disse.

Autoria
Os grupos de pichadores Gangue DP (Dopados e Perversos) e Irreverentes, da zona oeste, reivindicaram a autoria das pichações no Cristo Redentor. Segundo o integrante de um dos grupos, - identificado apenas como Mazinho - o intuito do ato era fazer um protesto mais visível contra a falta de atitude de políticos e autoridades para com os problemas sociais.

"A pichação foi feita pelo Zabo, da Gangue DP, e o Aids e o Lube, do grupo Irreverentes. Todos são meus amigos e costumamos atuar juntos", afirmou Mazinho, que revelou quais serão os próximos alvos: Estão pensando em pichar a igreja de São Jorge na semana que vem, já que sexta-feira é feriado por causa desse santo.

De acordo com Mazinho, esses mesmos grupos teriam pichado os túmulos de Chacrinha, Roberto Marinho, Cazuza e do traficante Uê. Todos os três pichadores moram em Santa Cruz (zona oeste).

Jornal do Brasil Jornal do Brasil

compartilhe

publicidade
publicidade