publicidade
22 de janeiro de 2013 • 21h21

Governo e Estado investem R$ 63 milhões na região serrana do Rio

 

O governo federal e o governo do Estado do Rio de Janeiro iniciaram uma nova série de obras de contenção de encostas em Nova Friburgo e Teresópolis, as duas cidades mais afetadas pelas enchentes de janeiro de 2011, na região serrana, em um total de R$ 63 milhões. Os dois municípios tiveram oficialmente, 810 mortos, sendo 428 em Nova Friburgo e 382 em Teresópolis. As chuvas na região serrana mataram mais de 900 pessoas. Há oficialmente, 165 pessoas desaparecidas, de acordo com o Programa de Localização e Identificação (Plid), do Ministério Público Estadual.

Relembre a maior tragédia climática já vivida no Brasil

Serão investidos R$ 58,7 milhões de recursos do governo federal em contenção de encostas de sete localidades das duas cidades e R$ 4,3 milhões do Tesouro estadual na contenção de blocos de rochas nas ruas Santa Martha e Epitácio Pessoa, na localidade conhecida por Matacão, no bairro Jardim Ouro Preto, em Nova Friburgo.

Os investimentos da União serão feitos nas localidades de Jardinlândia, São Jorge e Floresta, em Nova Friburgo, no valor de R$ 38,1 milhões, e em encostas das localidades do Caleme, Vila Muqui, Parque Imbuí 2 e Solar do Renan, em Teresópolis, onde serão gastos R$ 20,5 milhões.

De acordo com o governo do Estado, as 45 obras entregues no ano passado contribuíram para minimizar os efeitos das últimas chuvas na região. Foram 17 em Teresópolis - uma no Golf (rua Alberto Nader, atrás do Golf Club), Três Córregos (próximo à BR-116) e Salaco, duas no Caleme (ruas Nhambu e Canário), seis no Fisher e seis no Frades - e 28 em Nova Friburgo - duas no Colégio Miosótis, duas na rua Cristina Ziedi, três na rua Dr. Henrique Braune (subida do teleférico), três no Tingly, quatro no Clube dos 50, seis na praça do Suspiro e oito em Duas Pedras.

Serão destinados ainda R$ 201 milhões para obras de contenção de encostas em 63 áreas de alto risco cadastradas em Teresópolis, Petrópolis, Nova Friburgo e Sumidouro. Os recursos foram aprovados, no fim de novembro do ano passado pelo Ministério das Cidades. As obras serão licitadas pela Secretaria de Obras.

 

 

 

Agência Brasil