2 eventos ao vivo

ES: manifestação termina em confusão provocada por policiais

Pancadaria começou depois que uma pedra ou lata de cerveja foi arremessada

18 jun 2013
01h18
atualizado às 14h16
  • separator
  • comentários

Cerca de 20 mil pessoas percorreram nessa segunda-feira aproximadamente 12 quilômetros durante uma manifestação em Vitória, capital do Espírito Santo. Os participantes do ato público, que teve eventos similares em diversos Estados do Brasil, caminharam da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) até as proximidades da casa do governador Renato Casagrande. A passeata não teve situações violentas durante todo o trajeto, mas o cerco estava fechado no destino final, pelo Batalhão de Missões Especiais (BME). E no fim, o que era pacífico, transformou-se em uma verdadeira guerra.

Após um possível arremesso de pedra ou lata de cerveja – a polícia diz que foi uma lata e o governo diz que foi pedra -, o BME decidiu lançar bombas de efeito moral e gás lacrimogênio. A confusão se espalhou pelas ruas do bairro Praia da Costa, em Vila Velha. Manifestantes começaram a espalhar latas de lixo pelas ruas, e entraram em conflito com os policiais. Muitos correram desesperadamente, e nossa equipe de reportagem foi atingida por uma bomba de gás lacrimogênio. Felizmente, após alguns minutos, o efeito do gás diminuiu. Mas o estrago nas ruas de Vila Velha foi grande.

<a data-cke-saved-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-de-onibus/iframe.htm" href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-de-onibus/iframe.htm">veja o infográfico</a>

Passeata pacífica
Todo o trajeto da manifestação em Vitória teve manifestação pacífica. Entre as milhares de pessoas, alguns resolveram agir de maneira distinta dos demais, mas esses foram poucos. A polícia respeitou a todos desde a concentração na Ufes. Slides com algumas frases que estão circulando na internet desde o início dos protestos, em São Paulo, foram projetados na parte frontal do Teatro Universitário, onde os participantes do manifesto se reuniram.

O grito de “vem pra rua” se expandiu, e os cartazes foram levantados quando o relógio marcava 18h30. A apreensão do que estava por vir era com os policiais militares que estavam espalhados pelo trajeto. Mas estes nada fizeram, e sequer tentaram impedir os manifestantes.Mas ao chegar nas cancelas da Terceira Ponte, que liga Vitória a Vila Velha, quem estava na frente decidiu passar, já que o local foi liberado. Ali foi decidido que todos iriam até a casa do governador do Espírito Santo.

Apesar do congestionamento no trânsito, tanto na capital quanto na cidade de Vila Velha, motoristas e moradores da região demonstraram apoio aos manifestantes, com buzinas no ritmo das palavras de ordem da passeata, panos brancos pendurados nas janelas como forma de pedir a paz, e alguns moradores ainda piscavam as luzes do apartamento a medida que os manifestantes passavam.

Moradores de Vila Velha aderem à manifestação
Já em Vila Velha, as pessoas foram às ruas e compraram a ideia da manifestação que começou em Vitória. No local, os gritos de “vem pra rua” tomaram conta das principais avenidas da cidade. O canto do hino nacional foi sonoro, e pacificamente os manifestantes chegaram até a rua onde reside o governador do Espírito Santo, na região nobre de Vila Velha.

Gritos contra Dilma e TV Globo
O que chamou a atenção durante toda a manifestação foram os gritos contra a presidente Dilma Rousseff e a TV Globo. Contra a presidente, os gritos eram de teor ofensivo, com xingamentos. Já para a emissora, a frase emblemática foi “o povo não é bobo, chupa Rede Globo”.

Confusão após bombas de efeito moral
Se durante 90% do trajeto a paz esteve presente, no fim, algum artifício arremessado contra os policiais foi o argumento necessário para que as bombas de gás lacrimogênio fossem lançadas contra os manifestantes. Nossa equipe de reportagem estava próxima do local onde o gás foi expelido. Pânico e revolta tomaram conta do local. Foi a partir daí que o conflito começou. Muitas pessoas depredaram carros, lixeiras, e atiravam objetos. A guerra se estendeu, e durou aproximadamente até às 23h.

Colaborou com esta notícia o internauta Fábio Anselmo, de Vila Velha (ES), que participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade