PUBLICIDADE

Chuva contribui para aumento de casos de dengue em 5 Estados

8 fev 2010 - 10h27
(atualizado às 13h00)
Compartilhar

A forte chuva dos últimos meses em determinadas regiões do País contribuiu para o crescimento dos casos de dengue no início de 2010. De dezembro de 2009 a janeiro deste ano, a incidência da doença cresceu mais do que o esperado em Mato Grosso, onde foi registrado aumento maior que 700%, além da ampliação dos casos em Mato Grosso do Sul, em Goiás, em Rondônia e no Acre.

O coordenador do Centro de Informação Estratégica de Vigilância em Saúde de Mato Grosso, Aparecido Marques, explica que o aumento da chuva há quatro meses favorece a proliferação dos criadouros do Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença, principalmente em locais como caixas d'água descobertas, quintais e terrenos baldios com lixo (garrafas plásticas e material de construção). "Choveu praticamente todos os dias", disse Marques.

A Secretaria de Saúde de Mato Grosso contabilizou 9.209 casos de dengue até o último dia 3 de fevereiro aumento de 728,89% em relação a janeiro de 2009. Foram registradas 11 mortes e 264 casos graves. A capital, Cuiabá, e a cidade de Várzea Grande, região metropolitana, registram o maior número de notificações.

Para controlar a dengue, agentes de saúde sobrevoam as regiões mais afetadas para identificar focos. Também são promovidos mutirões para recolhimento o lixo. O governo estuda, segundo o coordenador, distribuir tampas para caixa d'água de famílias sem condições financeiras. O Ministério da Saúde enviou equipes ao Estado para a revisão dos planos de emergência.

A secretaria estadual negocia com os hospitais particulares a liberação dos leitos ociosos para os doentes, com o objetivo de ampliar a rede de atendimento.

Em Goiás, a gerente de Vigilância Epidemiológica, Magna de Carvalho, também confirma a influência das chuvas no aumento de casos no Estado. Foram 15.241 notificações da doença contra 2.530 em relação a janeiro de 2009, o equivalente a um crescimento de 502,4%.

Ela disse que em meses considerados secos, como agosto, choveu mais do que o habitual. As ações de combate em Goiás incluem reforços com veículos com equipamentos de nebulização usados para matar o mosquito e a instalação de tendas do lado de fora dos principais hospitais para os primeiros atendimentos às pessoas com suspeita de dengue.

O Ministério da Saúde enviou lotes de remédios (paracetamol) e sais para reidratação.

Cuidados

Entre as principais medidas de prevenção da doença estão a manutenção de caixas dágua, tonéis e barris ou outros recipientes que armazenam água totalmente tampados e limpos e a remoção de tudo o que possa impedir a água da chuva de correr pelas calhas. No caso dos vasos de plantas, é preciso encher os pratinhos de areia até a borda e lavá-los uma vez por semana com escova, água e sabão. Objetos que possam acumular água, como potes, latas e garrafas vazias, devem ser jogados no lixo, que precisa ser acondicionado em sacos plásticos bem fechados. As lixeiras também devem ser mantidas bem fechadas.

É preciso procurar atendimento médico em caso de febre, com duração máxima de sete dias, e acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: dor de cabeça, dor no fundo dos olhos, dor nas juntas, desânimo e manchas na pele.

Agência Brasil Agência Brasil
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra