0

Autoridades determinam recuperação de danos no RJ após protesto

11 jun 2013
14h17
atualizado às 14h57
  • separator
  • comentários

Várias ruas do centro do Rio amanheceram nesta terça-feira com marcas de depredação ocorrida nesta segunda-feira durante o protesto contra o aumento das passagens de ônibus na cidade. Na rua Primeiro de Março, a Igreja da Nossa Senhora do Carmo teve três janelas quebradas. A arquidiocese informou que ainda hoje fará uma reunião para definir que medidas serão adotadas.

Veja o quanto se paga em tarifas de ônibus nas capitais brasileiras

O muro do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) foi pichado pelos manifestantes. Além disso, alguns pontos de ônibus foram parcialmente destruídos pelos manifestantes, que arrancaram lixeiras dos postes espalhando sujeira pelas ruas. Segundo a assessoria da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), a reposição das lixeiras danificadas já foi providenciada. Quanto a depredação de pontos de ônibus, a prefeitura informou que os reparos necessários estão em execução.

A Polícia Militar (PM) informou que a maioria dos manifestantes era adolescente. Pelo menos 34 pessoas foram detidas e levadas para a 5ª Delegacia de Polícia (Mem de Sá), no centro da cidade.

A assessoria de imprensa da PM informou que o comando da instituição pediu as imagens das câmeras de segurança de prédios para avaliar se houve abuso dos policiais. O comando da Polícia Militar quer saber se os detidos estavam realmente envolvidos nas depredações ao patrimônio público.

O protesto começou com cerca de 300 pessoas que se concentraram nas escadarias da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, na Cinelândia, por volta das 17h30. Em frente ao Tribunal de Justiça ocorreu o confronto com homens da Tropa de Choque da PM. Para controlar a situação, os militares jogaram gás de pimenta e bombas de efeito moral contra as pessoas que participavam do ato.

Os comerciantes locais fecharam seus estabelecimentos. O protesto terminou pouco depois das 19h. Para evitar novos confrontos, os policiais militares permaneceram até duas horas depois, em todos os cruzamentos ao longo da avenida Presidente Vargas.

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade