0

Após morte, Rio revê forma de abordagem a usuários de crack

10 jan 2013
22h15
atualizado em 11/1/2013 às 19h49
  • separator
  • comentários

Após um usuário de crack de 10 anos morrer atropelado durante uma ação da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) na madrugada desta quinta-feira no Rio de Janeiro, o secretário municipal de Assistência Social e vice-prefeito do Rio, Adilson Pires, afirmou que a Secretaria está revendo a forma de abordagem na ação de acolhimento dos usuários. O acidente ocorreu na cracolândia da Favela Nova Holanda, na entrada da Ilha do Governador, na zona norte do Rio.

"Esta é a primeira vez que morre um usuário atropelado durante a ação de combate ao crack. Toda a equipe ficou abalada com o que ocorreu e nossa primeira preocupação foi quanto ao menino e a sua família. Mas é evidente que quando acontece uma situação como essa, é necessário repensarmos o trabalho. Orientei nossas equipes a rever, passo a passo, todos os protocolos para o atendimento. Nós suspendemos a operação de amanhã (sexta-feira) para conseguirmos analisar a questão e ter nos próximos dias alguma nova proposta", afirmou Pires ao Jornal do Brasil.

Tragédia anunciada, o menino foi mais um usuário atropelado quando fugia do grupo de ação de acolhimento da Assistência Social. A secretaria é considerada ineficaz por alguns profissionais, enquanto outros dizem que ela precisa apenas de uma equipe com melhor preparo.

"Apareceu esse menino na mídia, mas quantos usuários morrem fugindo de carros pela avenida Brasil que não ficamos sabendo? Eu mesma já passei por lá e tive que frear porque alguns deles atravessaram na minha frente", afirmou Angela Hofmann, psicanalista especializada em dependência química. Ela afirma que a abordagem aos usuários deve ser mais cuidadosa.

"Sem dúvida nenhuma é necessário mais cuidado na ação. O objetivo é resgatar e nunca perder uma vida. A Assistência Social precisa de pessoas treinadas, para chegar aos locais em uma boa hora, que estejam preparadas para lidar com usuários que vão tentar fugir e correr. Hoje, porém, houve uma fatalidade, quando na verdade o maior risco deste e de todos os usuários de crack é o estilo de vida que eles levam", disse Angela. "Até quando teremos uma criança sem saneamento básico e sem educação? Quantas crianças mais estarão nas ruas, vivendo nessa situação?", questionou.

De acordo com a secretaria, desde 31 de março de 2011, quando começaram as operações conjuntas com órgãos de segurança para o combate ao crack, foram promovidas 146 ações nas principais cracolândias do município. Ao todo, foram 6.228 acolhimentos, sendo 5.423 adultos e 785 crianças e adolescentes. A Assistência Social afirma ainda que "a prefeitura do Rio vem atuando insistentemente nas ruas com o intuito de oferecer oportunidades para pessoas entregues ao crack".

Solução imediatista
"Existe uma demanda e exigência da população de solução imediata do uso abusivo de drogas, além do incômodo da sociedade pela presença dessas pessoas na rua. O município quer trazer uma solução imediata, que discorda frontalmente da cultura da saúde", aponta Silvia Tedesco, professora titular do departamento de Psicologia da Universidade Federal Fluminense (UFF) e membro do Conselho Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas (Cepop-RJ). Ela discorda da atuação e da internação feita pela Secretaria de Assistência Social e afirma que grupos e conselhos de medicina repudiam a internação, que, segundo a professora, foi desconsiderada como solução terapêutica ainda na década de 1970.

"Um usuário que não tem moradia nem trabalho pode até não usar o crack nesses abrigos, o que nem sempre acontece porque muitos têm acesso ao entorpecente mesmo lá. Mas quando ele voltar à vida anterior, vai retomar o uso da droga. É preciso acompanhar o novo território assistencial. Isso é uma discussão antiga na área da psiquiatria. Toda a área da saúde mental está estranhando essa medida dos governantes", declarou.

Segundo Adilson Pires, houve uma reunião em novembro de 2012, em Brasília, entre ele, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, onde foi acordada uma parceria na busca de propostas de internação, políticas públicas contra as drogas, além da disponibilização de recursos federais para o combate ao crack. "Se o paciente está num estágio avançado do vício e da doença, ele é capaz de pôr a sua vida e a vida dos outros em risco. E é aí que entra a possibilidade de, sempre orientado por profissionais, haver a internação compulsória, inicialmente. E, conforme a evolução do tratamento, o dependente pode passar para a terapia ambulatorial", disse ele.

De acordo com a professora, a população entende que a internação é sinônimo de tratamento intensivo, o que, segundo ela, não acontece. "A internação é uma exclusão, um isolamento. Como se trata alguém que está isolado, se são fatores relacionados à vida ou rotina do paciente que deflagram o usuário com relação ao uso de drogas? A remoção da clínica para o ambiente coletivo é feita para restabelecer os laços. Essas conexões de vidas, que são consideradas metas do tratamento, precisam acontecer", avalia ela.

Já a psicanalista Angela Hofmann aprova o trabalho da secretaria. "Não há possibilidade de chegar de outra forma a quem está necessitando de ajuda. Há pessoas que têm problemas com drogas, mas ainda possuem um certo controle de sua vida. Mas essas não têm capacidade de escolha. É a mesma coisa que você perguntar a alguém que foi atropelado se necessita de socorro médico", argumenta.

Modelo eficaz
Silvia Tedesco afirma que a política dos Centros de Assistência Psicossocial (Caps) precisa ser fortalecida no Rio. O tratamento oferecido por eles baseia-se na liberdade e na política de redução de danos. A proposta, que se popularizou no Brasil durante a década de 1970, consiste em terapia intensiva para dependentes químicos para fazer com que cheguem à abstinência. Ou seja, se a abstinência não for alcançada, há redução da quantidade de drogas usadas. Sem tratamento de choque como a internação, os usuários conseguem manter uma vida normal e chegam até a conciliar a terapia com trabalho e estudo.

O projeto Consultório de Rua do Caps existe desde 2000, mas Silvia diz que essa rede da saúde está sendo sucateada. A internação na rede também está prevista no Caps III, mas, de acordo com a especialista, o usuário passa antes por uma avaliação da equipe multidisciplinar e a internação é de curto prazo. O que falta é mais estrutura e locais para o número de atendimentos.

"A rede de saúde está esquecida. A verba teria que ser investida na rede de saúde mental com qualificação profissional. No Caps de Niterói, o Consultório de Rua não tem viatura nem pode transportar o usuário, nem materiais, se necessário. Não há apoio. É quase militância um trabalho que presta resultados, mas está sendo desativado", afirma ela.

Adilson Pires afirmou que desde a reunião em Brasília, outro compromisso firmado foi o de aumentar cada vez mais a união entre as secretarias municipais de Assistência Social e de Saúde. "O crack é uma realidade nova não só no Rio, mas no Brasil. E nós entendemos que o problema também é em parte da Saúde. O ministro Alexandre Padilha se prontificou a compilar as experiências, inclusive de outras capitais, como São Paulo, para que justamente com os recursos e os projetos possamos aumentar as equipes de Saúde, e no caso de internação voluntária, buscarmos vagas, com parcerias privadas também. Estamos usando de todo o nosso potencial de poder público para ajustarmos os trabalhos. Eu queria ter hoje uma solução, mas é uma questão que requer esforços e tempo. Não há uma solução mágica, infelizmente", disse.

Quando se fala de usuários menores de idade o argumento de Silvia é o mesmo. "Sendo maior ou menor de idade não se muda o efeito terapêutico das medidas. Existe uma rede de saúde dentro dos Caps que está apta a trabalhar essa questão. É uma abordagem cuidadosa, há atenção, atendimento médico, são oferecidos serviços. Isso vai criando um vínculo terapêutico que permite depois uma abordagem mais incisiva e cuidadosa a respeito da droga propriamente dita", afirma ela. "Existe solução para uma abordagem suficiente e internação, caso necessária, avaliado por profissionais, não por juiz, advogado e polícia. A coexistência da Justiça e da Saúde é que precisa ser trabalhada para que a coisa funcione."

Jornal do Brasil Jornal do Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade