2 eventos ao vivo

Alckmin diz que 'baderneiros' devem pagar por vandalismo em protesto

12 jun 2013
11h45
atualizado às 11h46
  • separator
  • comentários

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou nesta quarta-feira que não vai tolerar protestos violentos como o registrado na noite de terça-feira, na capital paulista, que reclamou contra o aumento da passagem de transporte público para R$ 3,20. "É intolerável a ação de baderneiros e vândalos destruindo o patrimônio público. Eles devem pagar por isso", disse Alckmin, que está em Paris acompanhado do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e do vice-presidente da República, Michel Temer, para apresentar a candidatura da cidade como sede da Expo 2020. As informações são da Rádio França Internacional.

<p>Manifestantes oferecem flores à PM, que respondeu com bombas de gás e balas de borracha</p>
Manifestantes oferecem flores à PM, que respondeu com bombas de gás e balas de borracha
Foto: Gabriela Biló / Futura Press

&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-metro-onibus-sp/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot; data-cke-210-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-metro-onibus-sp/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;

Alckmin, Haddad e Temer concederam uma entrevista coletiva à imprensa após o evento, mas o tema dos protestos dominou as perguntas dos repórteres. O governador falou com veemência contra as manifestações, afirmando que o aumento no preço das passagens de ônibus foi menor do que o previsto, e que os reajustes foram menores que a inflação. O prefeito de São Paulo, por sua vez, disse que respeita a liberdade de expressão, mas não concorda com o método dos últimos protestos. "Os cidadãos tem todo o direito de discordar, mas os métodos não são aprovados pela própria sociedade. Essa liberdade está sendo usada para prejudicar a população com a depredação de patrimônio público e privado", afirmou. Michel Temer fez coro a Alckmin e Haddad, e disse que a Constituição garante a liberdade de expressão, mas "não a liberdade de agressão".

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade