0

Desabamento de prédio deixa pelo menos 7 mortos e 26 feridos em SP

27 ago 2013
09h06
atualizado em 6/12/2013 às 17h33
  • separator
  • 0
  • comentários

O desabamento de um prédio de dois pavimentos em construção na zona leste de São Paulo deixou pelo menos sete pessoas mortas e 26 feridas, segundo informações do Corpo de Bombeiros. De acordo com a corporação, entre os socorridos com vida, sete estavam em estado grave. O desmoronamento aconteceu por volta das 8h30, na avenida Mateo Bei, em São Mateus. Pelo menos 23 viaturas foram enviadas para o local.

Segundo o capitão do Corpo de Bombeiros Marcos Palumbo, por volta das 19h já haviam sido retirados cinco corpos dos escombros. Dois permaneciam soterrados. De acordo com o oficial, a estimativa de retirada desses corpos era de cerca de duas horas. Os bombeiros encontram dificuldades por conta de uma grande pilastra que está caída sobre o local onde estão as vítimas, prejudicando o acesso do resgate.

O Corpo de Bombeiros informou ainda que há indícios de que haja mais vítimas sob os escombros. Segundo Palumbo, em alguns locais, o concreto está fresco e há betoneiras, indicando que havia operários na área no momento do desabamento. "Ninguém bota betoneira para funcionar e deixa ela", diz o comandante, ressaltando que há sinais de que possa haver mais corpos no local.

As equipes se concentram em três pontos onde há indícios de que possa haver mais vítimas. Conforme Palumbo, assim que forem retirados os corpos, os bombeiros vão parar as máquinas e colocarão os cães farejadores em ação novamente para tentar reorientar as buscas. No entanto, ele é enfático ao dizer que, mesmo sem indícios de que haja sobreviventes soterrados, a possibilidade não foi descartada.

Dos 26 feridos, 24 foram atendidos pelo Corpo de Bombeiros e dois por populares. Segundo o major da Polícia Militar Hideo Augusto, os ferimentos mais graves foram provocados “pela queda da estrutura” do prédio. Segundo ele, as equipes no local trabalharam, inclusive, com a ajuda de uma das vítimas soterradas, que utilizou um telefone celular para orientar os bombeiros durante o resgate. 

<a data-cke-saved-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/desabamentos/iframe2.htm" data-cke-154-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/desabamentos/iframe2.htm">veja o infográfico</a> <a data-cke-saved-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/desabamentos/iframe.htm" data-cke-617-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/desabamentos/iframe.htm">veja o infográfico</a>

Sobre as possíveis causas do desabamento, o major preferiu não entrar em detalhes. “É precipitado falar o que aconteceu, é um trabalho pericial, e aí sim poderemos saber o que houve com a estrutura”, disse. Segundo as primeiras informações, as vítimas seriam os operários que trabalhavam no local.

A professora Márcia Silva, que trabalha em uma creche na região, relatou ter ouvido um forte estrondo no momento do desabamento. "Eu estava voltando do horário do café e ouvi um barulho muito forte, mas eu não imaginei que fosse um desabamento deste tamanho. No momento, procuramos tranquilizar as crianças, pois trabalhamos com a segurança dela", disse.

Ainda segundo Márcia, os bombeiros chegaram em poucos minutos e já iniciaram o trabalho de resgate. 

De acordo com residentes do bairro, no local  funcionava um posto de combustível que foi desativado para a construção de um prédio comercial. O helicóptero Águia, da Polícia Militar, também foi acionado para auxiliar no resgate, que ainda conta com o apoio de cães farejadores da PM.

Para facilitar o resgate das vítimas, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), interditou os dois sentidos da avenida Mateo Bei, na altura da rua Margarida Cardoso dos Santos. Profissionais da Comgás, Eletropaulo, Sabesp, Samu e Defesa Civil também atuam na área do acidente.

Antes e depois do local do desabamento:


Foto: Wesley Rodrigo/Futura Press

Colaboraram com esta notícia os internautas Paulo Roberto, Rodolfo Leone, Arthur Akihito Matsunaga, Eduardo Diniz da Silva e Sérgio Diniz da Silva, de São Paulo (SP), que participaram do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

Veja também:

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade