0

Brasil trocou criança por acordo econômico, diz avó de Sean

23 dez 2009
15h32
atualizado às 17h16
Andréa Bruxellas
Direto do Rio de Janeiro

A avó do menino Sean Goldman, 9 anos, Silvana Bianchi, afirmou nesta quarta-feira que o Brasil trocou seu neto por um acordo econômico com os Estados Unidos. Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou a entrega de Sean a seu pai, o americano David Goldman, o Senado americano aprovou por unanimidade a extensão do programa de isenção tarifária que beneficia exportações brasileiras. Na semana passada, o senador democrata Frank Lautenberg havia apresentado moção suspendendo a votação em retaliação ao Brasil.

"Estou estarrecida. Quem tem filho, que se cuide. Nunca imaginaria que uma criança poderia ser trocada por um acordo econômico. Isso é uma vergonha para um país como o Brasil", disse Silvana. "Uma criança não é um pacote que se despacha de um pais para outro."

Silvana afirmou ainda que a decisão do STF desrespeita o Estatuto da Criança e do Adolescente. "Os direitos do Sean não estão sendo respeitados. Pra que Estatuto da Criança e do Adolescente? Pra limpar chão?", questionou.

Mesmo contrariada, a avó do menino disse que cumprirá o prazo estipulado para a entrega da criança a seu pai. O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) determinou que a família brasileira de Sean deve entregá-lo ao Consulado dos Estados Unidos no Rio de Janeiro até as 9h desta quinta-feira.

Silvana afirmou ter ainda esperanças de uma boa convivência com o pai de Sean. Entretanto, ela questionou a possibilidade de Goldman passar o Natal com a família brasileira da criança. "Provavelmente, não haverá Natal na minha família. Ainda temos esperanças de ter uma convivência legal, de fazer um acordo com o pai do Sean, mas, diante disso tudo, realmente nem sei se deveria ter feito o convite para passarmos juntos o Natal."

Entenda o caso

A história da luta do americano David Goldman para reaver a guarda do filho mobilizou a opinião pública e o governo americano. O pai de Sean, David Goldman, luta para ter a guarda do filho desde a morte de sua ex-companheira, a brasileira Bruna Bianchi Carneiro.

A briga pela guarda começou em 2004, quando Bruna deixou Goldman para uma suposta viagem de férias de duas semanas com o filho ao Brasil. Ao desembarcar no País, contudo, Bruna telefonou ao marido avisando que o casamento estava acabado e que não voltaria aos Estados Unidos. A partir disso, foi travada uma batalha judicial pela guarda do garoto, na época com 4 anos.

David Goldman, pai no menino Sean, que terá a guarda do filho
David Goldman, pai no menino Sean, que terá a guarda do filho
Foto: AP
Fonte: Especial para Terra
publicidade