0

Brasil é o 8º em número de suicídios no mundo, diz OMS

4 set 2014
11h46
atualizado às 11h51
  • separator
  • 0
  • comentários

O Brasil é o oitavo país enntre os com maior número de suicídios registrados, segundo relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira. Cerca de 800.000 pessoas se suicidam todos os anos no mundo, ou seja, uma pessoa tira a própria vida a cada 40 segundos, uma cifra maior que as vítimas de guerra ou de catástrofes naturais.

Em 2012, no Brasil foram registrados 11.821 mortes por suicídio, sendo 9.918 de homens e 2.623 de mulheres, uma taxa de 6% para cada 100.000.

A maioria das pessoas que cometem suicídio no mundo tem mais de 50 anos e o suicídio afeta duas vezes mais os homens do que as mulheres, de acordo com este relatório da OMS publicado em Genebra, o primeiro de seu tipo.

O sudeste da Ásia é uma região mais afetada do que o resto do planeta, com uma taxa de suicídio de 17,7 por 100.000 habitantes, superior à média mundial de 11,4 por 100 mil. Em países de tradição católica, como a Itália (4,7) e a Espanha (5,1), as taxas registradas são significativamente mais baixas.

Cerca de 1,5 milhão de pessoas morre a cada ano de morte violenta, incluindo os 800.000 de suicídio, segundo os autores do estudo. "Estes números são inaceitáveis porque o suicídio pode ser evitado por uma política de prevenção", declara Shekar Saxena, diretor de Saúde Mental da OMS.

Além disso, o relatório aponta que o suicídio é a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. O consumo de pesticidas, o enforcamento e as armas de fogo são os métodos mais comuns de suicídio.

Na França, em 2012, 10.093 pessoas cometeram suicídio, incluindo 7.475 homens e 2.618 mulheres. A taxa de suicídio é de 12,3 por 100.000 habitantes, superior à média mundial de 11,4.

"São necessárias medidas para lidar com um sério problema de saúde pública que permaneceu um tabu por muito tempo", ressalta a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, que também indica que esse ato desesperado pode ser evitado.

A agência da ONU defende, de fato, uma estratégia abrangente para a prevenção do suicídio, pois muitas pessoas que tiram suas próprias vidas não recebem a ajuda de que necessitam.

Na Europa a taxa de suicídio (12%) é superior à média global, com 35.000 vítimas relatadas. Seis países europeus estão entre os 20 países mais afetados por este flagelo. Belarus teve a taxa mais elevada da Europa em 2000 (35,5%). Em 2012, a taxa caiu para 18,3. A Lituânia em 2012 teve uma taxa de 28,2, a Rússia de 19,5, a Hungria de 19,1, a Ucrânia 16,8, a Polônia 16,6, a Letônia 16,2, a Finlândia 14,8, e a Bélgica 14,2.

A Guiana carrega o recorde mundial de suicídios com uma taxa de 44,2, seguida pela Coreia do Norte, com 38,5. A taxa de suicídio mais baixa é da Arábia Saudita, com apenas 0,4.

O objetivo traçado pela OMS é reduzir em 10% a tavxa de suicídio em todos os países até 2020. De acordo com a OMS, o suicídio e as tentativas são ainda considerados atos criminais em 25 países do mundo, principalmente na África e na América Latina.

A OMS também denuncia neste relatório a apresentação "sensacionalista" da imprensa de suicídios de personalidades famosas. Os meios de comunicação, considera a especialista da OMS Alexandra Fleischmann, deveriam evitar falar sobre suicídio, e privilegiar o termo "perda".

O professor Ella Arensman, presidente da Associação Internacional de Prevenção do Suicídio, diz, por sua vez, que recebeu várias mensagens após a cobertura da mídia do suicídio do ator Robin Williams, que tinham atravessado crises suicidas e que estavam a ponto de afundar.

O relatório da OMS não estuda a questão do suicídio assistido, como a Suíça autoriza, em casos de doenças incuráveis. "Este é um fenômeno muito pequeno estatisticamente para ser incluído no estudo", justifica Saxena.

Na Suíça, foram registrados no ano passado 350 suicídios assistidos, através de organizações especializadas na prática, como a Dignitas e Exit. A taxa de suicídio no país, excluindo o suicídio assistido, foi de 12,2 por 100.000 habitantes.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade