Blog da Amazônia

Blog da Amazônia

No ministério de Dilma, se gritar “Pega, Janot!”, a maioria corre

POR JOSÉ RIBAMAR BESSA FREIRE

 

Dizem que no dia 14 de março de 1883 Marx escreveu suas últimas palavras: "Classes Sociais". Era o título do capítulo que ia redigir. Tossiu. Com dores no peito, deixou a escrivaninha, sentou na cadeira de balanço e dormitou. Nunca mais acordou. Morreu ali mesmo vítima de uma pleurisia. Desnorteados, os marxistas passaram a garimpar o conceito em outros textos. A leitura de um deles – Crítica ao Programa de Gotha (1875) – permite agora entender a luta de classes na composição do novo ministério da presidente Dilma e o que ela pretende com os nomes escolhidos.

"Diante da classe operária, todas as demais não constituem senão uma massa reacionária" – escreveu Lassalle. Marx contesta que não é bem assim, que depende do momento político, que o novo não surge milagrosamente do nada, que sem o velho e sem as forças políticas existentes não é possível mudar a sociedade, que para a transição do capitalismo ao socialismo, "qualquer passo em frente, qualquer progresso real, vale mais do que uma dúzia de programas".

Este texto foi interpretado para dar sentido à escolha de Dilma que foi buscar seus ministros na "velha direita" para com eles parir a "nova esquerda" que está nascendo. É com esse cimento que construiremos o novo edifício social. Não sei se me faço entender. Basta olhar a imagem da "direita" refletida no espelho que ela se transforma em "esquerda", da mesma forma que a esquerda que critica o poder se transforma, no espelho do sociólogo Emir Sader, na "nova direita". Só as antas, por serem antidialéticas, não olham espelhos quando avaliam a correlação de forças.

Os nomes até agora anunciados indicam claramente que a presidente Dilma criou uma espécie de FEBEM (Fundação Nacional do Bem Estar do Ministro), destinada a recuperar, reabilitar e reintegrar elementos que no passado tiveram comportamento antissocial, mas que poderão mudar graças ao PIA – Plano Individual de Atendimento. Confira as imagens dos novos ministros.

Helder Barbalho na Pesca - Existe alguém mais apropriado para a pesca do que um filho de peixe? E que tubarão! O pai Jader Barbalho é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e desvios de R$16,7 milhões da Sudam. O filho responde por improbidade administrativa na 5ª Vara Federal do Pará, acusado de irregularidades na aplicação de recursos destinados à saúde. Quando prefeito de Ananindeua, deixou de comprovar gastos de 2,7 milhões, com acusações de fraudes em licitações. Vai revolucionar a pesca fazendo bolinhos com farinha de mandioca e timbó para atordoar os peixes.

Eduardo Braga em Minas e Energia – Dilma trocou o Lobão pelo Lobbynho. Dudu, derrotado nas últimas eleições para o governo do Amazonas, está sendo investigado no STF por crime eleitoral. Em 2008 foi denunciado por sua comadre Renata Barros como participante de uma quadrilha que fraudava licitações e superfaturava o preço do combustível fornecido aos órgãos públicos. Com tal currículo, este empresário de revenda de automóveis é o nome mais indicado para um ministério que tem a Petrobrás e a Eletrobrás como empresas vinculadas. No processo de reabilitação é tratado como companheiro pelo PT do Amazonas.

Kátia Abreu na Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Representante do agronegócio e do ruralismo arcaico, a senadora do Tocantins é considerada como a grande inimiga dos índios, dos sem-terra, das árvores, dos rios, dos pássaros, da poesia, da vida. Ela responde a um inquérito no STF por falsificação de selo público. Nomeá-la ministra foi uma jogada de mestre de Dilma. É melhor ver Kátia no Ministério, subordinada a um governo de esquerda, do que tê-la galopando nas hostes inimigas. Ela é mais um nome que Dilma retira da direita para compor a nova esquerda.

Cid Gomes na Educação – O ex-governador do Ceará fez por merecer a nomeação. Esteve em evidência não por suas realizações como engenheiro civil, mas pela forma como usou os recursos públicos, desde o passeio em jatinho com a sogra e familiares por países da Europa até a contratação de um bufê para abastecer a cozinha do Palácio por R$ 3,4 milhões no episódio conhecido como "farra do caviar". Seu exemplo pode contribuir para reeducar os genros no tratamento dispensado às sogras e estimular professores a trabalharem "por amor e não por salário".

Gilberto Kassab no Ministério das Cidades – Este corretor de imóveis, ex-prefeito de São Paulo que deixou a cidade submersa com enchentes, teve o patrimônio aumentado em 316% acima da inflação no período em que foi secretário de planejamento do prefeito Celso Pitta. Em 2004, a juíza Maria Gabriella Sacchi da 11ª Vara da Fazenda Pública determinou a quebra do seu sigilo bancário sob acusação de enriquecimento ilícito. Agora, ele não tem alternativa: vai ser obrigado a trabalhar pela mudança social. É mais um quadro de peso subtraído das fileiras adversárias.

Eliseu Padilha na Aviação Civil – O ex-ministro de Transportes do Governo FHC foi acusado pela Polícia Federal por envolvimento em crimes nas licitações para construir as barragens de Jaguari e Taquarembó, e investigado em ação para apurar desvios de recursos da merenda escolar em Canoas (RS). Sua reabilitação começou recentemente quando a Primeira Turma do STF negou seguimento ao inquérito no qual é acusado de fazer parte de uma quadrilha, porque parlamentar não pode ser julgado em primeira instância. Desviado do mau caminho, está sendo reciclado para atuar na "nova esquerda".

George Hilton no Esporte – Este "radialista, animador e pastor" como ele próprio se define, foi surpreendido no Aeroporto de Pampulha, em 2005, pela Polícia Federal com uma bagagem composta por 11 caixotes cheios de dinheiro e cheques num total de R$ 600 mil. Por causa disso, foi expulso do então PFL, sendo recebido pelo PRB, que é uma espécie de braço direito da Igreja Universal. Não manja porra nenhuma do assunto, mas assim mesmo vai organizar as Olimpíadas de 2016. A prática do esporte – está comprovado – ajuda no processo de reabilitação.

Aldo Rebelo em Ciência e Tecnologia - ha! ha!ha!ha! Ministro da Ciência e Tecnologia? Ha!ha!ha!ha! Essa Dilma é mesmo engraçada. Tinha de colocar uma pitada de humor. No seu ministério, quem não é ruim da cabeça, é doente do pé. Aldo, o bandeirante vermelho, tem oposição da comunidade científica. Folclórico, elaborou vários projetos: que proíbe tecnologias "poupadoras de mão-de-obra", que institui o Dia Nacional do Saci-Pererê, que cria o Pro-Tapioca obrigando misturar farinha de mandioca no pão, que criminaliza brasileiros usuários de palavras estrangeiras. Xenófobo, anti-indígena, anti-ambientalista, tem cadeira cativa na – com o perdão da palavra – New Left. Com ele, Dilma pretende conquistar o primeiro Prêmio Nobel do Brasil, que é uma dívida contraída com o povo brasileiro.

Joaquim Levy na Fazenda – O Joaquim Mão-de-Tesoura era o diretor-superintendente do Bradesco Asset Management, responsável pela gestão de recursos do Bradesco. É a interlocução com o mercado financeiro. É a Neca Setúbal da Dilma. Seria ministro de quem ganhasse: Aécio ou Dilma. Menos da Marina Silva que prometeu governar com os melhores.

Os ministros que tomam posse em 1° de janeiro formam parte de um ministério arretado da gotha. É a "nova esquerda" que emerge. Se gritar: "Pega, Janot!", a maioria corre. Dilma, com quem andas? E eu te direi quem és.


Altino Machado Altino Machado

Altino Machado

Acreano, ex-repórter dos jornais O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e Folha de S. Paulo




compartilhe e assine o blog



Sorry, your browser does not handle frames!<a href="http://www.terra.com.br/"> terra </a>

 
 
Leia também X Governador quer transpor água do rio Amazonas para o Nordeste