PUBLICIDADE

Black Blocs agridem jornalistas em protesto de professores

Equipes de imprensa do SBT e da Rede Globo foram perseguidas em manifestação nesta sexta-feira

25 abr 2015 10h44
| atualizado às 11h47
ver comentários
Publicidade
Confusão na Paulista: black blocs atacaram equipes de imprensa durante infiltração nos protestos de professores em greve da rede estadual
Confusão na Paulista: black blocs atacaram equipes de imprensa durante infiltração nos protestos de professores em greve da rede estadual
Foto: André Lucas Almeida / Futura Press

Um grupo de 70 black blocs se infiltrou na manifestação dos professores em greve do ensino estadual de São Paulo nesta sexta-feira e agrediu profissionais da imprensa que faziam a cobertura do protesto. Um cinegrafista do SBT foi jogado no chão aos chutes e socos, tendo seu equipamento quebrado, e uma equipe da Rede Globo foi perseguida. As informações são do Estado de S. Paulo.

Segundo a publicação, a confusão começou por volta das 18h, quando o grupo vestido de preto com adesivos da Apeoesp (sindicato dos professores da rede estadual) cercou os três empregados da Globo na Praça da República. A repórter Michele Barros, um produtor e um cinegrafista tiveram de correr e se esconder em um bar na Rua Vicente de Carvalho. Enquanto perseguiam a imprensa, os black blocs gritavam que a TV Globo “apoiou a ditadura”.

Siga o Terra Notícias no Twitter

O protesto de ontem começou por volta das 15 horas na Avenida Paulista. 

Um cinegrafista do SBT foi agredido fisicamente no tumulto. Ele levou chutes e socos após ser empurrado ao chão e ter seu equipamento quebrado. Neste momento, professores da Apoesp intervieram, afirmando que os vândalos seriam infiltrados, e não docentes.

Jornalistas da Rede Globo e SBT foram atacados nesta sexta-feira
Jornalistas da Rede Globo e SBT foram atacados nesta sexta-feira
Foto: André Lucas Almeida / Futura Press

A Polícia Militar confirmou que os agressores eram black blocs.

Os professores da rede estadual de São Paulo estão em greve há mais de 40 dias e pedem reajuste salarial de 75,3%. O sindicato propõe, por sua vez, manter a política de aumento salarial dos últimos quatro anos, com data-base em julho, sem informar qual seria o aumento concedido. 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade