0

Artistas prestigiam posse de Joaquim Barbosa no STF

22 nov 2012
19h50
atualizado às 20h54

Vários artistas compareceram à posse do ministro Joaquim Barbosa na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Os atores Lázaro Ramos, Milton Gonçalves e Lucélia Santos, além da apresentadora Regina Casé, do sambista Martinho da Vila e do cantor Djavan, se juntaram à plateia de autoridades e parentes do ministro. Barbosa é o primeiro negro a comandar a mais alta Corte do País.

"Acho que ele é um símbolo para várias coisas", disse Regina Casé ao sair da cerimônia. "A posse de um ministro negro mostra que o melhor caminho para se fazer justiça é a educação. O que a gente precisa é de igualdade na educação", ressaltou a apresentadora.

O sambista Martinho da Vila também considerou a posse de Joaquim Barbosa simbólica. Para ele, trata-se de "um grande passo para a diminuição dos preconceitos". Martinho, no entanto, preferiu exaltar a competência do ministro. "O importante é que o Joaquim está lá não por ser negro ou por ser pobre, mas por sua capacidade", disse.

A atriz Lucélia Santos, protagonista da novela Escrava Isaura exibida pela TV Globo entre 1976 e 1977 e que tratou do tema da escravidão no País, disse que desde a época da novela já imaginava que um dia poderia ver um presidente negro em um dos Poderes. Ela elogiou a postura e o trabalho de Joaquim Barbosa e manifestou sua alegria em participar da cerimônia de posse. "Por tudo o que ele vem fazendo, por todo o trabalho dele, é uma honra estar aqui hoje", declarou.

O ministro Joaquim Barbosa é ligado a questões raciais e faz referências ao assunto em conversas, discursos e votos. Ele nasceu em uma família simples de Paracatu, Minas Gerais, e ocupou vários postos até ser convidado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva para integrar o STF em 2003, quando atuava como procurador no Rio de Janeiro.

Em seu discurso de posse, o ministro criticou o que chamou de Justiça desigual. "De nada valem as edificações suntuosas, os sistemas de comunicação e informação, se naquilo que é essencial a Justiça falha porque é prestada tardiamente e porque presta um serviço que não é imediatamente fruível."Edição: Aécio Amado

A apresentadora Regina Casé foi uma das convidadas
A apresentadora Regina Casé foi uma das convidadas
Foto: José Cruz / Agência Brasil
Agência Brasil Agência Brasil
publicidade