PUBLICIDADE

Anac tem 4,4 mil manifestações sobre atrasos e cancelamentos

5 ago 2010 16h12
| atualizado às 17h03
Publicidade

De janeiro a junho deste ano, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) registrou 2.139 manifestações sobre atrasos de voos e 2.348 sobre cancelamentos, de acordo com um balanço divulgado nesta quinta-feira. Conforme a agência, a maioria das manifestações são feitas pelo usuário para reclamar, mas também são contabilizados pedidos de informações.

Passageiros fizeram fila nos guichês da Gol em Congonhas, em São Paulo
Passageiros fizeram fila nos guichês da Gol em Congonhas, em São Paulo
Foto: Eduardo Enomoto / Futura Press

As reclamações cresceram esta semana, principalmente em relação à companhia Gol, responsável por cerca de 70% dos voos atrasados em todo o País de domingo a terça-feira. De acordo com a Anac, uma falha no software que programa as escalas da tripulação causou o problema.

Em nota na segunda-feira, a Gol disse que os atrasos eram um reflexo do "intenso tráfego aéreo na sua malha", registrado na última sexta-feira."Na ocasião, algumas tripulações atingiram o limite de horas de jornada de trabalho previsto na regulamentação da profissão e foram impossibilitadas de seguir viagem, gerando um efeito em cadeia. A situação, desenvolvida num fim de semana de pico de movimento, com retorno de férias escolares, ocorreu num momento em que a empresa finalizava a implementação de um novo sistema de processamento das escalas dos pilotos e comissários", informou o comunicado.

A companhia será multada e o valor pode chegar a R$ 5,5 milhões. De acordo com a presidente da junta recursal da Anac, Ângela Rizzi, isso se deve também às 500 reclamações de passageiros que a agência recebeu desde sábado. Segundo ela, a cada constatação da Anac de que um passageiro não recebeu a assistência da companhia, por conta de atraso no vôo, a multa varia de R$ 4 até R$ 10 mil por cada reclamação

Ontem, a presidente da Anac, Solange Paiva Vieira, negou que o problema pudesse ter sido detectado pela Anac antes da ocorrência. "Os números mostram que não foi possível prever os problemas ocorridos", afirmou. "Problemas de sistema eventualmente podem acontecer. Não é uma coisa que a gente verifique com muita freqüência, em nenhum lugar do mundo. O ano passado, por exemplo, aconteceu com a TAM", disse.

A presidente da Anac fez uma vistoria hoje nos aeroportos do Rio, Santos Dumont e Galeão. Segundo ela, os aeroportos parecem tranquilos e o problema já foi normalizado.

Juizados
Uma medida que facilita o registro de reclamações e deve aumentar o número de manifestações é o funcionamento de juizados especiais cíveis em cinco aeroportos de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. A abertura aconteceu em 23 de julho. Os passageiros podem resolver, por meio de acordo, eventuais conflitos como overbooking (venda de passagens em número maior do que a capacidade do avião), atrasos e cancelamentos de voos, extravio, violação e furto de bagagens, falta de informação, entre outros.

Fonte: Redação Terra
Publicidade