0

Alemanha vendeu 136 mil ovos contaminados com dioxina na Holanda

5 jan 2011
14h38
  • separator
  • comentários

Pelo menos 136 mil ovos contaminados com dioxina foram vendidos por uma empresa alemã a uma companhia holandesa, segundo informou nesta quarta-feira o Governo de Berlim durante a investigação sobre o escândalo da utilização de gorduras industriais não comestíveis na produção de rações para animais.

O episódio, que atingiu o país nesta semana, obrigou o fechamento de mais de mil de fazendas em todo o país e a sacrificar dezenas de milhares de animais que tinham ingerido as rações contaminadas.

A remessa de ovos alemães contaminados foram entregues entre os dias 3 e 5 de dezembro por uma empresa do estado da Saxônia-Anhalt, fechada nesta quarta-feira, a uma empresa na cidade holandesa de Barneveld.

Um porta-voz do Executivo alemão insistiu que o consumo dos produtos contaminados por dioxina "não representa um perigo para os humanos".

A ministra federal de Agricultura, Ilse Aigner, explicou que já são oito os estados federados afetados pela contaminação de dioxina e avisou que "ainda não identificaram a origem da contaminação".

O Instituto Federal de Avaliação de Riscos emitiu um comunicado no qual assegura que a contaminação com dioxinas na comida para animais "não representa um risco para o consumo humano".

Os deputados alemães respondem assim à Comissão Europeia, que pediu às autoridades alemãs que verificassem se exportaram ovos ou carne contaminada a outros países da União Europeia (UE) A ração foi contaminada por dioxina em uma proporção entre 2% e 10%, conforme o relatório da comissão parlamentar.

O Governo alemão e os estados federados afetados analisam a penalidade para as empresas.

Além disso, a agência alemã "MEG" de análise de mercado informou nesta quarta-feira que a venda de ovos caiu bruscamente na Alemanha após o escândalo de contaminação por dioxina.

"Há insegurança no consumidor", afirmou Margit Beck, especialista de MEG.

O ministro da Agricultura do estado de Schleswig-Holstein decidiu nesta quarta-feira proibir o sacrifício de gado suíno até que concluam as investigações em andamento.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade